sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Promessa

Preciso ser forte como nunca antes fui.
Os desafios são grandes e muitos.
E eu sou minha pior inimiga.

***

“Ela ficou olhando-o, e então percebeu que nunca, em toda sua vida, estivera tão perto de alguém quanto naquele momento estava perto de Tao Chi’en. Sentiu-o como parte do seu próprio sangue, com uma certeza enraizada e feroz, e admirou-se de não ter percebido isso em todo aquele tempo vivido ao seu lado. Ignorava-o, embora o visse todos os dias. Sentiu saudade dos tempos em que tinham sido apenas bons amigos, mas isso não significava que pretendesse recuar. Agora havia algo pendente entre eles, algo muito mais complexo e fascinante do que a angústia da amizade.” (Filha da Fortuna, Isabel Allende, pag. 462)

domingo, 11 de novembro de 2012

O tiro de misericórdia

Vi todo o meu orgulho em sua mão/  Deslizar, se espatifar no chão/  Eu vi o meu amor tratado assim /  Mas basta agora o que você me fez


Do fundo do meu coração
Adriana Calcanhotto

Eu, cada vez que vi você chegar
Me fazer sorrir e me deixar
Decidido eu disse: nunca mais
Mas novamente estúpido provei
Desse doce amargo, quando eu sei
Cada volta sua o que me faz
Vi todo o meu orgulho em sua mão
Deslizar, se espatifar no chão
Eu vi o meu amor tratado assim
Mas basta agora o que você me fez
Acabe com essa droga de uma vez
Não volte nunca mais pra mim
Eu, toda vez que vi você voltar
Eu pensei que fosse pra ficar
E mais uma vez falei que sim
Mas já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim
Se você me perguntar se ainda é seu
Todo meu amor, eu sei que eu
Certamente vou dizer que sim
Mas já depois de tanta solidão
Do fundo do meu coração
Não volte nunca mais pra mim

 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Nós

História inacabada.
Vou comprar um caderno bonito para terminar de lhe escrever.
Contarei aquilo que, por medo ou vergonha, silenciado foi.
Regressarei ao passado colhendo as pistas do amor adiado.
A letra bonita e arredondada bordará as folhas.
Adorno.
Futuro.
Enfim, seremos nós.

04/11/12
20h38

Encontro

Recolhi os cacos dos pedestais quebrados.
Quando pensei que tudo acabado estava, o recomeço chegou.
Confirmação: amada fui.
Erros e desencontros ocorreram, porém.
Muitos.
Só resta, então, aguardar nosso novo (re)encontro.

04/11/12
20h40